quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Janela Indiscreta...


 
"Room in Brooklyn" by Edward Hopper




E por entre as janelas
Do prédio ao lado
Que aqui descrevo,
Tudo eu vejo
Sem pejo.

A velhinha
Que já não pega
Agulha e linha,
E sentada espera...
Qual será sua sina?

O pintor desajeitado
Pelas cordas pendurado
Pinta de novo, um edifício.
Nem queria tal ofício...

A dona de casa solitária
Só desfila para as panelas.
Apruma-se na janela,
Já ninguém mais pensa nela.

O jovem inseguro e apaixonado,
Dá dó de ver o coitado...
Com a cabeça atormentada
Por ciúmes da namorada.

Há a inocente criança
Que vive de lembranças...
No coração, a esperança
De que o pai um dia retorne
E traga sua mudança.

Privilegiada como poucos,
Cá estou eu na minha varanda,
Observando e anotando
Um pouco do drama dos outros...

Neli Araujo
2009
.
 

18 comentários:

Pleiba disse...

É BEM DRAMATICO mesmo Neli... mesmo ela estando assim ela nunca deixou d pedi p Deus ajudar essas pessoas....
bjuz miga

renato disse...

Oi, Neli!

Como dizia o outro "É a vida"! Infelizmente é a triste realidade!

Essa do pintor desajeitado, não é nenhuma critica a alguém que você conhece??? Estou a brincar!

Mas o drama dos outros é muito triste e muito sério!

Beijinho,

Renato

Rubinho Osório disse...

É como já me senti algumas vezes: observador privilegiado da condição humana; algumas vezes omisso, outras, impotente; nunca ator, sempre plateia.

dragao vila pouca disse...

Cá estou à varanda, vigilante e sempre pronta a ajudar. não é Neli?

Beijinhos

neli araujo disse...

Oi, Pleiba!

Obrigada pelas palavras. Até parece que você lê nas entrelinhas, heheh

Bom fim de semana!
beijinhos
Neli

neli araujo disse...

Oi, Renato!

Não, rsrsrs

Este pintor é o de paredes, que está pendurado pelas cordas em um prédio vizinho ao meu.

Tenha um bom final de semana.

beijinho

Neli

neli araujo disse...

É bem isso, Rubinho.

Às vezes reclamo da vida, mas sem direito algum.

Já fui ator, mas geralmente sou platéia!

Um abração em você e Elaine!

neli

neli araujo disse...

Oi, Dragão!

Suas palavras me emocionaram. Obrigada pelo carinho!

Tenha um fim de semana abençoado!

beijinhos,

Neli

Alice disse...

e o drama dos outros nada mais é que o drama de todos.....


beijooooooooooooo

anjo só disse...

observar e detectar o drama dos outros é facil , agora se meter no meio pra resolver e dar uma solução, só com muita oração , é muito complicado...! bjs

...EU VOU GRITAR PRA TODO MUNDO OUVIR... disse...

A mais pura perfeição em forma de poema e de...observação!!!

Muito,muito lindo e bem elaborado!!!

Parabéns!

Sonia Regina.

neli araujo disse...

Alice querida,

Todos temos nossos pequenos/grandes dramas...

Fica bem, linda!

Beijinhos saudosos em você e no Tatá!

Neli

neli araujo disse...

É complicado, sim, João!

Mas, se pudermos ajudar quem está à nossa volta, já estaremos fazendo bastante. A tal da "gota no oceano".

bom fim de semana, amigo!

beijos,

neli

neli araujo disse...

Soninha querida,

Obrigada, amiga! Suas palavras são um carinho para meu coração!

Espero que esteja tudo bem por aí. Tenho sentido sua falta...

beijinhos carinhosos,

Neli

mulher lua disse...

Neli, se houvesse um crime aqui pelo meio, este poema poder-se-ia chamar "Janela Indiscreta"... ah ah ah

Veijios Hitchcockianos

carmen disse...

Neli:

Gostei do título "janela indiscreta"... afinal, ficamos a olhar e a tentar descubrir os seus segredos...

Como diria meu sobrinho, cada um com seus problemas... Acho muito difícil aceitar esta frase, mas assim caminha a humanidade, ou desumanidade...sei lá!!!

Amei o seu poema, uma verdadeira colcha de retalhos da vida...
Tudo isto não passa de uma imensa solidão, dividida por paredes e pisos; departamentalizadas!!! Triste...

bjs

neli araujo disse...

Filó querida,

Que eu saiba, crime não há, hehehemas que a janela é indiscreta, isto lá é, hehehe

Veijios Hitchcockianos

neli

neli araujo disse...

Oi, Carminha!

Obrigada, amiga!

Gostei tanto das tuas palavras, que vou repetí-las aqui:

"...uma verdadeira colcha de retalhos da vida...
Tudo isto não passa de uma imensa solidão, dividida por paredes e pisos; departamentalizadas!!! Triste..."

Muito triste, mesmo! E nós fazemos parte desta solidão...até sei o "meu versinho", que sàbiamente deixei de fora...

beijinho carinhoso, linda!

Neli